Pages

Descrevendo a Leucemia

Quer saber um pouco mais sobre Leucemia? Leia o post e entenda!

Células-Tronco - A Esperança

As células-tronco são uma das grandes esperanças da ciência e da medicina nos últimos tempos para pesquisas voltadas para curas para certas doenças. Saiba mais como isso pode te salvar lendo o post Células-Tronco - A Esperança!

A Caneta Inteligente

Que tal uma caneta que te ajude na hora de escrever, indicando os seus erros de escrita? Leia a matéria e saiba mais sobre essa caneta!

A Eletricidade

O que é a eletricidade? Você sabe de onde de fato ela vem? Veja no post A Eletricidade e descubra mais sobre ela

O Grupo dos Halogênios

Vai fazer vestibular? Veja esse post O Grupo dos Halogênios e arrebente na prova!

domingo, 4 de maio de 2014

O Músculo Robótico Super Forte

Você já imaginou um músculo artificial fabricado em larga escala que é 1.000 vezes mais forte que um músculo humano? Parece que os primeiros passos para que essas tecnologias se tornem realidade começou a ser dado por pesquisadores da Universidade da Califórnia. 

Imagem reproduzida no site Revista Veja. (Junqiao Wu group, Berkeley Lab/UC Berkeley)



A equipe criou com dióxido de vanádio e uma fita de crômio, um músculo artificial, podendo assim ser chamado, que é capaz de arremessar objetos 50 vezes mais pesados que ele, a 5 vezes o comprimento dele mesmo, em um tempo de só 60 milisegundos. Isso é conseguido se aplicando uma corrente elétrica ao conjunto, que aquece o dióxido de vanádio a mais de 67 graus celsius, se expandindo em duas dimensões e se contraindo em uma. 

Imagem reproduzida no Blog Novos Insólitos.

É semelhante ao que acontece ao leite em um recipiente quando é superaquecido sobre o fogo, a diferença é que nesse caso do dióxido de vanádio, a expansão é em mais de uma dimensão.
Esse comportamento do dióxido de vanádio nessas condições, ocorre pelo fato de ele mudar rapídamente do estado de isolante para o de condutor na temperatura referida. O dispositivo também tem um sensor de proximidade, que ao "sentir" o objeto envia uma corrente elétrica ao dióxido, que se expande e faz o trabalho de arremesso. Esses mecanismos poderiam ser usados no futuro para próteses, sistemas neurológicos e órgãos artificiais ou até mesmo, serem aplicados nos robôs, andróides e armaduras como dito antes, mas ainda sem previsão de data.

Até a Próxima!

Nenhum comentário: